Artigos

21.3: Exemplos


21.3: Exemplos

Currentelijahministry

Nosso desafio neste provérbio é ver como a justiça e o julgamento são vistos na visão de Deus e explorar o que torna algo aceitável a Deus. Para começar nosso estudo, examinamos primeiro as palavras hebraicas. A palavra "aceitável" tem um significado além do pensamento comum. Em nossa linguagem, algo ser aceitável pode significar que há algo melhor, mas vamos nos contentar com o segundo melhor. No hebraico, “aceitável” significa provar, selecionar, distinguir, ser especialmente escolhido. Algo é aceitável depois de ter sido testado para ver se é excelente. Em outras palavras, é o melhor. Pode significar dar uma olhada cuidadosa e bem pensada antes de fazer uma escolha. Por exemplo, Ló escolheu o melhor terreno.

“Ló olhou para cima e viu que toda a planície do Jordão estava bem regada, como o jardim do Senhor, como a terra do Egito, na direção de Zoar. Então Ló escolheu para si toda a planície do Jordão e partiu em direção ao leste ”. (Gênesis 13: 10-11)

Normalmente, “aceitável” expressa escolhas com consequências eternas. Por exemplo, Davi foi escolhido rei de Israel. “... mas escolhi Davi para governar meu povo Israel.” (1 Reis 8:16) “... mas ele escolheu a tribo de Judá, o monte Sião, que ele amava ... Ele escolheu Davi, seu servo, e o tirou dos currais das ovelhas.” (Salmo 78:68)

Podemos deduzir desses significados que Deus orquestrou cuidadosamente tudo o que acontece nesta terra. Ele tomou decisões corretas sobre cada pessoa e evento e cada plano que fez é excelente e significa que para a eternidade, eles são aceitáveis ​​aos Seus olhos.

“Os planos do Senhor permanecem firmes para sempre, os propósitos de seu coração por todas as gerações.” (Salmo 33:11)

Quando olhamos para o nosso provérbio, imediatamente vemos que “Fazer justiça e julgamento” ou “fazer o que é certo e justo ” recebeu a aprovação eterna de Deus e é considerado excelente.

Vejamos, então, a justiça e o julgamento. A primeira pergunta é: como podemos “fazer” justiça e julgamento? A ideia é uma atividade positiva. Ele contém o pensamento de trabalhar, labutar, construir, criar ou construir em um sentido ético. Esta é uma atividade no espírito com consequências eternas. É uma palavra usada no relato da criação, da atividade criativa do próprio Deus. Portanto, quando nos propomos a "fazer justiça e julgamento", devemos ter certeza de que estamos criando, construindo sobre as leis de Deus. Isso é aceitável para Deus. Seus julgamentos são corretos e bons. Ele estabelece as regras e regulamentos sob os quais operamos. Dentro dessa estrutura, promovemos a justiça e o julgamento correto.

Em Isaías 1 Deus declara que sabe tudo sobre nossos sacrifícios e nossos motivos para esses sacrifícios.

Versículos 11, 13 “A multidão dos teus sacrifícios - o que eles significam para mim? diz o Senhor. Tenho mais do que o suficiente de holocaustos, carneiros e gordura de animais engordados Não tenho prazer no sangue de touros e cordeiros e cabras ... Pare de trazer ofertas sem sentido! ”

O povo de Israel era flagrantemente injusto e perpetrava injustiças, ignorando o chamado à retidão e à justiça como visto na lei de Deus. Eles estavam seguindo os movimentos religiosos, mas não tiveram nenhum arrependimento ou mudança de coração para com Deus ou outras pessoas. Sem arrependimento, esses movimentos externos não têm sentido para Deus. Outras pessoas podem vê-los e acreditar que as ofertas são genuínas. No entanto, é Deus o Juiz Justo. Vir para adorá-Lo de uma forma indiferente apenas para mostrar não é aceitável para o nosso Deus santo, justo e justo.

Em vez disso, Deus nos diz, por meio de Isaías, em Versículos 16-17 “Lavai-vos e purificai-vos. Tire suas más ações da minha vista! Pare de errar, aprenda a fazer o certo! Busque a justiça, encoraje os oprimidos. Defenda a causa dos órfãos, pleiteie o caso da viúva. ” Estas são as maneiras práticas pelas quais podemos agradar a Deus “Fazendo justiça e julgamento”.

A fim de desfrutar de um relacionamento completo com nosso Senhor Jesus Cristo, não devemos apenas abraçar o conceito de retidão e justiça, mas devemos ser ativos na busca de ambos. Quando percebemos nossa incapacidade de produzir qualquer um em e por nós mesmos, Deus fornece um caminho - o caminho da justiça por meio da fé em Jesus - e o perdão total pelos nossos pecados. Ele então nos declara justos e justos em Cristo. Qual a importância desses dois atributos, pedras fundamentais, para cada um de nós? Eles devem ser prioridade para estar em união com Jesus.

O SENHOR então instrui o povo, e nós, no remédio para este dilema.O versículo 18 diz: “Vem agora, arrazoemos juntos, diz o Senhor. Embora seus pecados sejam como escarlate, eles serão brancos como a neve. ” Nosso Pai é quem estabelece os padrões morais de nossa conduta. Este versículo não pode ser interpretado de acordo com o nosso entendimento atual.

A palavra "razão" na verdade, refere-se a processos judiciais. Isso significa para esclarecer posições morais. À luz deste verdadeiro significado, entendemos que Deus é o Juiz e fará Seu julgamento de acordo com Seu próprio caráter Justo. Nós, como humanos finitos, não temos base em que nos confrontarmos quando confrontados com a santidade e pureza de nosso pai. Deus deixa bem claro quais são seus requisitos e quando percebemos que não temos a capacidade de atendê-los, Ele fornece o caminho. Ele nos chama para si e nos purifica do pecado e estabelece o perdão.

Como o provérbio comanda, nós somos para fazer justiça. O verbo Faz carrega a ideia de obrigação moral e ética junto com a ideia de ser obediente. Uma vez que conhecemos os requisitos de Deus, somos moral e eticamente obrigados a praticá-los. Nós examinamos agindo com justiça em nosso estudo de Miquéias 6: 8. Vimos que existem muitas maneiras práticas de fazer justiça em nossa vida diária. Isso agrada a Deus.

A palavra justiça é um termo legal baseado na presença de um relacionamento entre duas partes - Deus e o homem, ou o homem e o homem. Um exemplo é o relacionamento de Jacob e Laban descrito em Gênesis 30:33 “E a minha honestidade (justiça) testificará a meu favor no futuro, sempre que você verificar o salário que me pagou.” Eles fecharam um acordo que foi aprovado pelos dois homens e eles podiam julgar o resultado pelo acordo. Sabemos que Jacó, no final das contas, manipulou o negócio em seu próprio benefício e não foi honesto com Labão sobre isso. Como resultado, Jacob deixou Laban e voltou para Canan com Rachel, Leah e todos os seus rebanhos.

Deus é o legislador supremo, obedecendo a Seus próprios padrões. Justiça é o que está de acordo com esse conjunto de requisitos legais conhecido como Direito. Esta palavra justiça pode ser traduzido justiça. O exemplo mais claro disso é encontrado na vida de Abraão. Quando ele não tinha herdeiro, ele iria declarar seu servo, Eliezer, como herdeiro, mas quando Deus prometeu a Abraão um filho em sua velhice, ele creu em Deus.

Gênesis 15: 6 diz “Abrão creu no SENHOR, e isso lhe foi creditado [Abrão] como justiça”. Em outras palavras, em termos contábeis, Deus transferiu Abraão e sua fé para o lado direito do livro-razão - um crédito, justiça.

Para “Faça o que é certo” devemos estar em um relacionamento com nosso Senhor em uma base pessoal. Somos instruídos a ser vestidos com a justiça de Cristo. O conceito de estar coberto pela justiça de Deus e de Cristo é encontrado tanto no Antigo quanto no Novo Testamento. Jó 29:14 diz "Eu me vesti de justiça, e ela me vestiu: meu julgamento foi como um manto e um diadema."

Jó entendeu a idéia de ser indigno e receber a justiça pela fé em Deus. Observe a relação entre ser justo e ter julgamento.

Salmo 89:14 “A retidão e a justiça são a base do seu trono”. Esses dois atributos são os alicerces sobre os quais se apóiam todas as características de Deus. Tudo sobre Ele é reto e justo: Sua misericórdia, graça, amor, paz, fidelidade, todos os Seus atributos. Como crentes em Jesus Cristo, estamos vestidos com Sua justiça. Porque Deus conecta retidão e justiça, nós também devemos fazer isso. Para exemplificarmos totalmente a vida de Jesus, a retidão e a justiça também devem ser as pedras fundamentais de nossas vidas. Olhando para Provérbios 21: 3 vemos que a combinação de certo e justo é aceitável e, portanto, agradável ao Senhor. Devemos, portanto, examiná-los para entender os requisitos básicos que Deus coloca sobre Seus adoradores.

Gálatas 3: 26-27 “Vós sois todos filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus, porque todos vós que fostes batizados em Cristo vos revestistes de Cristo”.

Romanos 13:14 “Revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e não penseis em como satisfazer os desejos da natureza pecaminosa.”

Quando estamos “Vestido com o Senhor Jesus Cristo” somos aceitáveis ​​a Deus nosso Pai. Mais do que qualquer coisa que possamos fazer, devemos estar em Cristo cobertos com Seu Sangue e Sua justiça.

Com o profeta Isaías podemos dizer: “Tenho grande prazer no Senhor, a minha alma se alegra no meu Deus. pois ele me vestiu com vestes de salvação e me vestiu com um manto de justiça, como um noivo adorna sua cabeça como um sacerdote, e uma noiva se adorna com suas joias. ” (Isaías 61:10)

Podemos nos regozijar muito em saber que somos aceitáveis ​​ao nosso Senhor e Deus. Não por causa de qualquer coisa que tenhamos feito, mas porque Jesus providenciou a justiça que nos torna aceitáveis ​​perante o trono da graça.


21.3 Mudança Social

O comportamento coletivo e os movimentos sociais são apenas duas das forças que impulsionam a mudança social, que é a mudança na sociedade criada tanto por movimentos sociais quanto por fatores externos. Essencialmente, qualquer mudança perturbadora no status quo, seja ela intencional ou aleatória, causada pelo homem ou natural, pode levar a uma mudança social.

Causas de Mudança Social

Ao longo deste texto, discutimos várias causas e efeitos da mudança social. Abaixo está uma recapitulação de alguns dos principais motivadores, incluindo tecnologia, instituições sociais, população e meio ambiente. Sozinhos ou em combinação, esses agentes podem perturbar, melhorar, perturbar ou influenciar de outra forma a sociedade.

Tecnologia

Alguns diriam que o aprimoramento da tecnologia tornou nossas vidas mais fáceis. Imagine como seria seu dia sem a Internet, o automóvel ou a eletricidade. Em O mundo é Plano, Thomas Friedman (2005) argumenta que a tecnologia é uma força motriz por trás da globalização, enquanto as outras forças de mudança social (instituições sociais, população, meio ambiente) desempenham papéis comparativamente menores. Ele sugere que podemos ver a globalização ocorrendo em três períodos distintos. Primeiro, a globalização foi impulsionada pela expansão militar, movida a cavalos de força e energia eólica. Os países mais capazes de tirar proveito dessas fontes de energia se expandiram ao máximo e exerceram controle sobre a política do globo desde o final do século XV até por volta do ano 1800. O segundo período mais curto de aproximadamente 1800 DC a 2000 DC consistiu de uma globalização economia. A energia a vapor e a ferrovia foram as forças orientadoras da mudança social e da globalização neste período. Finalmente, Friedman nos traz à era pós-milenar. Neste período de globalização, a mudança é impulsionada pela tecnologia, particularmente a Internet (Friedman 2005).

A tecnologia pode mudar outras forças sociais. Por exemplo, os avanços na tecnologia médica permitem que as pessoas vivam mais, tenham mais filhos e sobrevivam a alguns desastres ou problemas naturais. Os avanços na tecnologia agrícola nos permitiram alterar os produtos alimentícios, o que impacta nossa saúde e também o meio ambiente. Uma determinada tecnologia pode criar beneficiários, mas essa mesma tecnologia - especialmente se for perturbadora - pode fazer com que outras pessoas percam seus empregos, sofram com a poluição ou sejam monitoradas ou vitimadas.

A exclusão digital - a lacuna crescente entre quem tem e não tem tecnologia - existe tanto local quanto globalmente. Os problemas de segurança adicionais incluem roubo de informações pessoais, agressão cibernética e perda de privacidade. A constante mudança na tecnologia leva a uma quase inevitável falta de preparação para novos riscos em escalas pessoais e sociais.

Sociologia no mundo real

Crowdsourcing: usando a web para fazer as coisas acontecerem

Milhões de pessoas hoje andam com a cabeça inclinada em direção a um pequeno dispositivo em suas mãos. Talvez você esteja lendo este livro em um telefone ou tablet. As pessoas nas sociedades desenvolvidas agora consideram a tecnologia de comunicação garantida. Como essa tecnologia afetou a mudança social em nossa sociedade e em outras? Uma forma muito positiva é o crowdsourcing.

Graças à web, crowdsourcing digital é o processo de obtenção de serviços, ideias ou conteúdo necessários, solicitando contribuições de um grande grupo de pessoas e, especialmente, de uma comunidade online, em vez de funcionários ou fornecedores tradicionais. Empresas baseadas na web, como a Kickstarter, foram criadas precisamente com o propósito de levantar grandes quantias de dinheiro em um curto período de tempo, notadamente evitando o processo de financiamento tradicional. Este livro, ou livro virtual, é o produto de uma espécie de esforço de crowdsourcing. Ele foi escrito e revisado por vários autores em uma variedade de campos para dar a você acesso gratuito a uma grande quantidade de dados produzidos a um baixo custo. O exemplo mais comum de dados crowdsourced é a Wikipedia, a enciclopédia online, que é o resultado de milhares de voluntários adicionando e corrigindo material.

Talvez o uso mais marcante do crowdsourcing seja o alívio de desastres. Ao rastrear tweets e e-mails e organizar os dados em ordem de urgência e quantidade, as agências de ajuda humanitária podem atender aos pedidos de ajuda mais urgentes, como ajuda médica, alimentação, abrigo ou resgate. Em 12 de janeiro de 2010, um terremoto devastador atingiu o Haiti. Em 25 de janeiro, um mapa de crise foi criado a partir de mais de 2.500 relatórios de incidentes, e mais relatórios eram adicionados todos os dias. A mesma tecnologia foi usada para ajudar as vítimas do terremoto e tsunami no Japão em 2011.

O lado mais sombrio da tecnologia: agressão eletrônica na era da informação

O US Center for Disease Control (CDC) usa o termo "agressão eletrônica" para descrever "qualquer tipo de assédio ou intimidação que ocorra por meio de e-mail, sala de bate-papo, mensagem instantânea, site (incluindo blogs) ou mensagem de texto" (CDC, sd) Geralmente pensamos nisso como cyberbullying. Um estudo de 2011 do Departamento de Educação dos Estados Unidos descobriu que 27,8 por cento dos alunos de 12 a 18 anos relataram ter experimentado bullying. Da mesma amostra, 9 por cento relataram especificamente ter sido vítima de cyberbullying (Robers et al. 2013).

O cyberbullying representa uma mudança poderosa na sociedade moderna. William F. Ogburn (1922) pode tê-lo descrito há quase um século, quando definiu "atraso cultural", que ocorre quando a cultura material precede a cultura não material. Ou seja, a sociedade pode não compreender totalmente todas as consequências de uma nova tecnologia e, portanto, pode inicialmente rejeitá-la (como a pesquisa com células-tronco) ou adotá-la, às vezes com consequências negativas não intencionais (como a poluição).

O cyberbullying é uma característica especial da Internet. A única característica da agressão eletrônica é que ela pode acontecer vinte e quatro horas por dia, todos os dias pode atingir uma criança (ou um adulto), embora ela ou ele possa se sentir seguro em uma casa trancada. As mensagens e imagens podem ser postadas anonimamente e para um público muito amplo, e podem até ser impossíveis de rastrear. Finalmente, uma vez postados, os textos e imagens são muito difíceis de apagar. Seus efeitos vão desde o uso de álcool e drogas até baixa autoestima, problemas de saúde e até suicídio (CDC, n.d.).

Instituições sociais

Cada mudança em uma única instituição social leva a mudanças em todas as instituições sociais. Por exemplo, a industrialização da sociedade significava que não havia mais a necessidade de famílias grandes produzirem trabalho manual suficiente para administrar uma fazenda. Além disso, novas oportunidades de emprego estavam próximas aos centros urbanos, onde o espaço vital era muito valioso. O resultado é que o tamanho médio da família diminuiu significativamente.

Essa mesma mudança em direção a entidades corporativas industriais também mudou a maneira como vemos o envolvimento do governo no setor privado, criou a economia global, forneceu novas plataformas políticas e até estimulou novas religiões e novas formas de culto religioso como Scientology. Também informou a forma como educamos nossos filhos: originalmente as escolas foram criadas para acomodar um calendário agrícola para que as crianças pudessem estar em casa para trabalhar nos campos no verão e, mesmo hoje, os modelos de ensino são amplamente baseados na preparação dos alunos para empregos industriais, apesar de ser uma necessidade ultrapassada. Uma mudança em uma área, como a industrialização, significa um impacto interconectado entre as instituições sociais.

População

A composição da população está mudando em todos os níveis da sociedade. Os nascimentos aumentam em uma nação e diminuem em outra. Algumas famílias atrasam o parto, enquanto outras começam a trazer os filhos mais cedo. As mudanças populacionais podem ser devidas a forças externas aleatórias, como uma epidemia, ou mudanças em outras instituições sociais, conforme descrito acima. Mas, independentemente de por que e como isso acontece, as tendências populacionais têm um tremendo impacto inter-relacionado em todos os outros aspectos da sociedade.

Nos Estados Unidos, estamos experimentando um aumento em nossa população idosa à medida que os baby boomers se aposentam, o que, por sua vez, mudará a forma como muitas de nossas instituições sociais são organizadas. Por exemplo, há um aumento da demanda por moradias em climas mais quentes, uma mudança massiva na necessidade de cuidados e instalações de vida assistida e crescente incidência de maus-tratos. A aposentadoria dos baby boomers também pode levar à escassez de mão de obra ou experiência e (conforme discutido extensivamente no capítulo sobre Envelhecimento e Idosos) os custos com saúde aumentarão para se tornar uma parte cada vez maior de nossa economia.

Globalmente, muitas vezes os países com as taxas de fertilidade mais altas são os menos capazes de absorver e atender às necessidades de uma população em crescimento. O planejamento familiar é um grande passo para garantir que as famílias não fiquem sobrecarregadas com mais filhos do que podem cuidar. Em um nível macro, o aumento da população, especialmente nas partes mais pobres do globo, também leva a um aumento da pressão sobre os recursos do planeta.

O ambiente

Conforme discutido extensivamente no capítulo sobre População, Urbanização e Meio Ambiente, as mudanças no meio ambiente e nossa interação com ele podem ter efeitos promissores ou devastadores. O acesso à água potável é o principal determinante da saúde e da prosperidade. E, à medida que as populações humanas se expandem em áreas mais vulneráveis, enquanto os desastres naturais ocorrem com mais frequência, vemos um aumento no número de pessoas afetadas por esses desastres.

A saúde geral e o bem-estar são profundamente afetados pelo meio ambiente, mesmo em áreas urbanizadas. Muitos tipos de câncer, que são coletivamente a principal causa de morte em países de alta renda, têm influências ambientais (Mahase 2019).

Sociologia no mundo real

Furacão Katrina: quando tudo se junta

Os quatro elementos principais que afetam a mudança social descritos neste capítulo são o meio ambiente, a tecnologia, as instituições sociais e a população. Em 2005, Nova Orleans foi atingida por um furacão devastador. Mas não foi apenas o furacão que foi desastroso. Foi a convergência de todos esses quatro elementos, e o texto a seguir conectará os elementos colocando as palavras entre parênteses.

Antes da chegada do furacão Katrina (meio ambiente), esforços de evacuação mal coordenados haviam deixado cerca de 25% da população, quase totalmente afro-americanos que careciam de transporte privado, sofrendo as consequências da tempestade que se aproximava (dados demográficos). Então, "depois da tempestade, quando os diques se romperam, milhares de outros [refugiados] vieram. E os ônibus da cidade, destinados a levá-los a abrigos adequados, estavam submersos" (Sullivan 2005). Nenhum transporte público foi fornecido, água potável e comunicações foram atrasadas, e a FEMA, a Agência Federal de Gerenciamento de Emergências (instituições), era chefiada por um nomeado sem experiência real em gerenciamento de emergências. Aqueles que foram evacuados não sabiam para onde estavam sendo enviados ou como entrar em contato com seus familiares. Os afro-americanos foram enviados para mais longe de suas casas. Quando os deslocados começaram a retornar, as moradias públicas não haviam sido restauradas, mas o estádio do Superdome, que servia como abrigo temporário para desastres, havia sido reconstruído. Os proprietários receberam apoio financeiro, mas os locatários não.

Acontece que não foi inteiramente o furacão que custou a vida de 1.500 pessoas, mas o fato de que os diques de tempestade da cidade (tecnologia), que haviam sido construídos muito baixos e não atendiam a inúmeras outras especificações de segurança, cederam, inundando as partes mais baixas da cidade, ocupadas quase inteiramente por afro-americanos.

A jornalista Naomi Klein, em seu livro The Shock Doctrine: The Rise of Disaster Capitalism, apresenta uma teoria de um "choque triplo", que consiste em um desastre inicial, um choque econômico que substitui os serviços públicos por privados (com fins lucrativos), e um terceiro choque consistindo no intenso policiamento do restante público. Klein apóia sua afirmação citando o então congressista Richard Baker, dizendo: "Finalmente limpamos moradias públicas em Nova Orleans. Não poderíamos fazer isso, mas Deus fez". Ela cita o desenvolvedor Joseph Canizaro, afirmando: "Acho que temos uma folha em branco para começar de novo. E com essa folha em branco, temos algumas oportunidades muito grandes."

Uma folha em branco foi que New Orleans começou a substituir as escolas públicas por charters, quebrando o sindicato dos professores e demitindo todos os professores das escolas públicas (Mullins 2014). A habitação pública foi seriamente reduzida e os pobres foram forçados a sair de vez ou para os subúrbios, longe de instalações médicas e outras (The Advocate 2013). Finalmente, ao realocar afro-americanos e mudar a proporção de afro-americanos em relação aos brancos, Nova Orleans mudou toda a sua composição demográfica.

Modernização

A modernização descreve os processos que aumentam a quantidade de especialização e diferenciação da estrutura nas sociedades, resultando na mudança de uma sociedade subdesenvolvida para uma sociedade desenvolvida, impulsionada pela tecnologia (Irwin 1975). Por essa definição, o nível de modernidade dentro de uma sociedade é julgado pela sofisticação de sua tecnologia, particularmente no que se refere à infraestrutura, indústria e semelhantes. No entanto, é importante observar o viés etnocêntrico inerente a essa avaliação. Por que presumimos que aqueles que vivem em nações semiperiféricas e periféricas achariam tão maravilhoso se tornarem mais parecidos com as nações centrais? A modernização é sempre positiva?

Uma contradição de todos os tipos de tecnologia é que muitas vezes prometem benefícios de economia de tempo, mas de alguma forma não cumprem. Quantas vezes você cerrou os dentes de frustração em um site da Internet que se recusou a carregar ou em uma ligação perdida em seu telefone celular? Apesar dos dispositivos que economizam tempo, como lava-louças, máquinas de lavar e, agora, aspiradores de pó com controle remoto, o tempo médio gasto com as tarefas domésticas é o mesmo hoje e há cinquenta anos. E os benefícios duvidosos de e-mail 24 horas por dia, 7 dias por semana e informações imediatas simplesmente aumentaram a quantidade de tempo que se espera que os funcionários respondam e estejam disponíveis. Enquanto antes as empresas tinham que viajar na velocidade do sistema postal dos EUA, enviando algo e esperando até que fosse recebido para a próxima etapa, hoje o imediatismo da transferência de informações significa que não existem tais interrupções.

Além disso, a Internet nos comprou informações, mas a um custo. O pântano de informações significa que há tanta informação pobre disponível quanto fontes confiáveis. Há uma linha delicada a se trilhar quando as nações centrais buscam trazer os benefícios assumidos da modernização para culturas mais tradicionais. Por um lado, existem tendências procapitalistas óbvias em tais tentativas, e é falta de visão para os governos ocidentais e cientistas sociais assumir que todos os outros países aspiram seguir seus passos. Além disso, pode haver uma espécie de defesa neoliberal das culturas rurais, ignorando a pobreza muitas vezes esmagadora e as doenças que existem nas nações periféricas e focando apenas na mitologia nostálgica do camponês feliz. É preciso muito cuidado para compreender a necessidade de identidade e preservação cultural, bem como as esperanças de crescimento futuro.

Quer citar, compartilhar ou modificar este livro? Este livro é Creative Commons Attribution License 4.0 e você deve atribuir o OpenStax.

    Se você estiver redistribuindo todo ou parte deste livro em formato impresso, deverá incluir em cada página física a seguinte atribuição:

  • Use as informações abaixo para gerar uma citação. Recomendamos o uso de uma ferramenta de citação como esta.
    • Autores: Tonja R. Conerly, Kathleen Holmes, Asha Lal Tamang
    • Editor / site: OpenStax
    • Título do livro: Introdução à Sociologia 3e
    • Data de publicação: 3 de junho de 2021
    • Local: Houston, Texas
    • URL do livro: https://openstax.org/books/introduction-sociology-3e/pages/1-introduction
    • URL da seção: https://openstax.org/books/introduction-sociology-3e/pages/21-3-social-change

    © 3 de junho de 2021 OpenStax. O conteúdo do livro didático produzido pela OpenStax é licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution License 4.0. O nome OpenStax, logotipo OpenStax, capas de livro OpenStax, nome OpenStax CNX e logotipo OpenStax CNX não estão sujeitos à licença Creative Commons e não podem ser reproduzidos sem o consentimento prévio e expresso por escrito da Rice University.


    Foi demonstrado que a água se acrescenta rapidamente à função carbonila de aldeídos e cetonas para formar diol geminal. Em uma reação semelhante, os álcoois adicionam reversivelmente a aldeídos e cetonas para formar hemiacetais (hemi, Grego, meio). Esta reação pode continuar adicionando-se outro álcool para formar um acetal. Os hemicetais e acetais são grupos funcionais importantes porque aparecem nos açúcares.

    Para alcançar a formação hemiacetal ou acetal eficaz, dois recursos adicionais devem ser implementados. Primeiro, um catalisador ácido deve ser usado porque o álcool é um nucleófilo fraco e, segundo, a água produzida com o acetal deve ser removida da reação por um processo como uma peneira molecular ou um Armadilha Dean-Stark. Este último é importante, pois a formação de acetal é reversível. De fato, uma vez obtidos hemiacetais ou acetais puros, eles podem ser hidrolisados ​​de volta aos seus componentes de partida por tratamento com ácido aquoso e um excesso de água.


    21.3 Regras de Kirchhoff

    Muitos circuitos complexos, como o da Figura 21.21, não podem ser analisados ​​com as técnicas série-paralela desenvolvidas em Resistores em Série e Força Paralela e Eletromotriz: Tensão Terminal. Existem, no entanto, duas regras de análise de circuito que podem ser usadas para analisar qualquer circuito, simples ou complexo. Essas regras são casos especiais das leis de conservação de carga e conservação de energia. As regras são conhecidas como regras de Kirchhoff, em homenagem a seu inventor Gustav Kirchhoff (1824-1887).

    Regras de Kirchhoff

    • Primeira regra de Kirchhoff - a regra da junção. A soma de todas as correntes que entram em uma junção deve ser igual à soma de todas as correntes que saem da junção.
    • Segunda regra de Kirchhoff - a regra do loop. A soma algébrica das mudanças no potencial em torno de qualquer caminho de circuito fechado (loop) deve ser zero.

    As explicações das duas regras serão dadas agora, seguidas por dicas de resolução de problemas para a aplicação das regras de Kirchhoff e um exemplo prático que as usa.

    Primeira regra de Kirchhoff

    A primeira regra de Kirchhoff (a regra da junção) é uma aplicação da conservação de carga a uma junção, ilustrada na Figura 21.22. A corrente é o fluxo de carga e a carga é conservada, portanto, qualquer carga que entre na junção deve fluir para fora. A primeira regra de Kirchhoff exige que I 1 = I 2 + I 3 I 1 = I 2 + I 3 tamanho 12 > = I rSub > + I rSub >> <> (ver figura). Equações como essa podem e serão usadas para analisar circuitos e resolver problemas de circuito.

    Fazendo conexões: Leis de Conservação

    As regras de Kirchhoff para análise de circuitos são aplicações de leis de conservação para circuitos. A primeira regra é a aplicação de conservação de carga, enquanto a segunda regra é a aplicação de conservação de energia. As leis de conservação, mesmo usadas em uma aplicação específica, como a análise de circuitos, são tão básicas que formam a base dessa aplicação.

    Segunda regra de Kirchhoff

    Aplicando as regras de Kirchhoff

    Ao aplicar as regras de Kirchhoff, geramos equações que nos permitem encontrar as incógnitas nos circuitos. As incógnitas podem ser correntes, fms ou resistências. Cada vez que uma regra é aplicada, uma equação é produzida. Se houver tantas equações independentes quanto incógnitas, o problema pode ser resolvido. Existem duas decisões que você deve tomar ao aplicar as regras de Kirchhoff. Essas decisões determinam os sinais de várias quantidades nas equações que você obtém com a aplicação das regras.

    1. Ao aplicar a primeira regra de Kirchhoff, a regra de junção, você deve rotular a corrente em cada ramo e decidir em que direção ela está indo. Por exemplo, na Figura 21.21, Figura 21.22 e Figura 21.23, as correntes são rotuladas I 1 I 1 tamanho 12 >> <>, I 2 I 2 tamanho 12 >> <>, I 3 I 3 tamanho 12 >> <>, e eu tamanho 12 <> e as setas indicam suas direções. Não há risco aqui, pois se você escolher a direção errada, a corrente terá a magnitude correta, mas será negativa.
    2. Ao aplicar a segunda regra de Kirchhoff, a regra do loop, você deve identificar um loop fechado e decidir em que direção contorná-lo, no sentido horário ou anti-horário. Por exemplo, na Figura 21.23 o loop foi percorrido na mesma direção da corrente (sentido horário). Novamente, não há risco de dar a volta no circuito na direção oposta, inverter o sinal de todos os termos da equação, o que é como multiplicar os dois lados da equação por -1. -1.

    A Figura 21.24 e os pontos a seguir o ajudarão a obter os sinais de mais ou menos corretamente ao aplicar a regra do loop. Observe que os resistores e fem são percorridos indo de a para b. Em muitos circuitos, será necessário construir mais de um loop. Ao percorrer cada loop, é necessário ser consistente quanto ao sinal da mudança de potencial. (Veja o Exemplo 21.5.)

    • Quando um resistor é percorrido na mesma direção da corrente, a mudança no potencial é - IR - IR tamanho 12 <- ital "IR"> <>. (Veja a Figura 21.24.)
    • Quando um resistor é percorrido na direção oposta à corrente, a mudança no potencial é + IR + IR tamanho 12 <+ ital "IR"> <>. (Veja a Figura 21.24.)
    • Quando uma fem é atravessada de - - para + (na mesma direção em que move a carga positiva), a mudança no potencial é + fem. (Veja a Figura 21.24.)
    • Quando um fem é atravessado de + para - - (oposto à direção em que move a carga positiva), a mudança no potencial é - - tamanho 12 <- <>> <> fem. (Veja a Figura 21.24.)

    Exemplo 21.5

    Calculando a corrente: usando as regras de Kirchhoff

    Encontre as correntes fluindo no circuito na Figura 21.25.

    Estratégia

    Solução

    Começamos aplicando a primeira regra ou regra de junção de Kirchhoff no ponto a. Isto dá

    A regra do loop afirma que as mudanças na soma potencial para zero. Desse modo,

    Substituir valores do diagrama de circuito para as resistências e fem, e cancelar a unidade de ampere dá

    Agora, aplicando a regra de loop a aefgha (poderíamos ter escolhido abcdefgha também), da mesma forma resulta

    Observe que os sinais são invertidos em comparação com o outro loop, porque os elementos são percorridos na direção oposta. Com os valores inseridos, isso se torna

    Essas três equações são suficientes para resolver as três correntes desconhecidas. Primeiro, resolva a segunda equação para I 2 I 2 tamanho 12 > > <> :

    Agora resolva a terceira equação para I 3 I 3 tamanho 12 > > <> :

    Substituir essas duas novas equações na primeira nos permite encontrar um valor para I 1 I 1 tamanho 12 > > <> :


    Modelos Farmacocinéticos Não Lineares

    Manter o controle das unidades torna-se ainda mais importante com cinética não linear. Na Equação 21.3.1, as unidades para Vm são quantidade.volume -1 .tempo -1 por exemplo mg.L -1 .dia -1. Outra abordagem é derivar a equação para a taxa de variação da quantidade do medicamento com o tempo.

    Equation 21.3.2 Rate of Change of Drug Amount with Time

    Equation 21.3.2 looks the same as Equation 21.3.1. The difference is the dX/dt on the left and the units for Vm on the right. The units for Vm are the same as dX/dt, i.e. amount.time -1 for example mg/day. Note the units for Vm are the same as the units for the differential term on the left hand side of Equations 21.3.1 and 2. The Cp units cancel top and bottom.

    Dividing the rate of elimination (metabolism) by the drug concentration provides a value for the drug clearance.

    Equation 21.3.3 Non linear Equation for Clearance

    Notice that Equation 21.3.3 includes a concentration term on the right hand side (in the denominator). Clearance is not constant but varies with concentration. As the concentration increases we would expect the clearance to decrease. Calculations based on an assumption of constant clearance, such as the calculation of AUC are no longer valid. A simple increasing of dose becomes an adventure. No longer can we increase the dose by some fraction, for example 25%, and expect the concentration to increase by the same fraction. The calculations are more complex and must be done carefully. The superposition principle can no longer be applied to concentration.

    It is not possible to integrate Equation 21.3.1 explicitly but by looking at low and high concentrations we can get some idea of the plasma concentration versus time curve.

    Low Cp -> approximation to first order

    where the Vm/Km is a constant term and the whole equation now looks like that for first order elimination, with Vm/Km a pseudo first order rate constant for metabolism, km.

    Therefore at low plasma concentrations we would expect first order kinetics. Remember, this is the usual situation for most drugs. That is Km is usually larger than the therapeutic plasma concentrations.

    High Cp -> approximation to zero order

    and we now have zero order elimination of drug, that is the rate of elimination is INDEPENDENT of drug concentration (remaining to be eliminated). At high plasma concentrations we have zero order or concentration independent kinetics.

    Figure 21.3.1 Linear Plot of Rate of Elimination Versus Concentration with Vm and Km

    Figure 21.3.2 Linear Plot of Cp Versus Time Showing High Cp and Low Cp - Zero Order and First Order Elimination

    Click on the figure to view the interactive graph

    In Figure 21.3.2 at high Cp, in the zero order part, the slope is fairly constant (straight line on linear graph paper) and steeper, that is, the rate of elimination is faster than at lower concentrations. [However, the apparent rate constant is lower. This is easier to see on the semi-log graph in Figure 21.3.3.]

    At higher concentrations the slope is equal to -Vm. At lower concentrations we see an exponential decline in plasma concentration such as we see with first order elimination.

    On semi-log graph paper we can see that in the zero order region the slope is more shallow, thus the apparent rate constant is lower. The straight line at lower concentrations is indicative of first order kinetics.

    Figure 21.3.3 Semi-Log Plot of Cp Versus Time Showing High Cp and Low Cp

    Click on the figure to view the interactive graph

    Another way to use or look at Figure 21.3.3 is to consider the slope of the line as a measure of a psuedo or apparent first order rate constant, k'. If we start with Equation 21.3.2 since this includes Vm with the more usual units of amount/time (mg/day) we can derive equation Eq 21.3.3 for this psuedo first order rate constant.

    Equation 21.3.4 Psuedo First Order Rate Constant

    As for clearance described earlier (Equation 21.3.4) this pseudo rate of elimination changes with concentration. As the concentration increases the elimination process slows down. We can take this one step further by looking at a 'half-life' for the elimination.

    Equation 21.3.5 Psuedo Half life for Elimination

    Earlier when we talked about linear kinetics we talked about the time it takes to get to steady state concentrations. With linear kinetics this time was independent of concentration and could be calculated as 3, 4 or 5 half-lives. With non-linear kinetics, this time will increase with concentration just as this psuedo half-life increases with concentration. This is very important later when we use steady state concentrations to make parameter estimates. If we don't wait long enough our determination of steady state concentration will be in error and so will the parameter estimates. This time to steady state might change from a few days to weeks as the dose is increased.

    Averaging Equation 21.3.1 over a dosing interval at steady state where the dose is equal to the drug metabolized during the interval leads to Equation 21.3.6

    Equation 21.3.6 Dose Required to Achieve an Average Concentration

    Rearrangement of Equation 21.3.6 to solve for Cpaverage can be used to illustrate the problem of arbitrarily increasing the dose for a drug that exhibits non linear, Michaelis-Menten (MM), kinetics.

    Equation 21.3.7 Average Concentration at Steady State

    The presence of saturation kinetics can be quite important when high doses of certain drugs are given, or in the case of over-dose. In the case of high dose administration the effective elimination rate constant is reduced and the drug will accumulate excessively if saturation kinetics are not understood.

    Figure 21.3.4 Linear Plot of Cpaverage Versus Dose Per Day

    Click on the figure to view the interactive graph

    Phenytoin is an example of a drug which commonly has a Km value within or below the therapeutic range. The average Km value is about 4 mg/L. The normally effective plasma concentrations for phenytoin are between 10 and 20 mg/L. Therefore it is quite possible for patients to be overdosed due to drug accumulation. At low concentration the apparent half-life is about 12 hours, whereas at higher concentration it may well be much greater than 24 hours. Dosing every 12 hours, the normal half-life, could rapidly lead to dangerous accumulation. At concentrations above 20 mg/L elimination maybe very slow in some patients. Dropping for example from 25 to 23 mg/L in 24 hours, whereas normally you would expect it to drop from 25 -> 12.5 -> 6 mg/L in 24 hours. Typical Vm values are 300 to 700 mg/day. These are the maximum amounts of drug which can be eliminated by these patients per day. Giving doses approaching these values or higher would cause very dangerous accumulation of drug. Figure 21.3.4 is a plot of Cpaverage versus dose calculated using Equation 21.3.7.

    This page was last modified: Tuesday, 7th Apr 2020 at 5:57 pm

    Material on this website should be used for Educational or Self-Study Purposes Only


    Parentheses

    In this math lesson, we’ll talk about Parentheses “( )”, We are sure you are familiar with these signs but math assigns a different meaning to parentheses.

    In math language, parentheses are setting aside a few terms or operations.

    The whole idea of parentheses is that they say, “Do this thing first!” Sometimes, parentheses are hugely important for the order of operations.

    Sometimes, parentheses will help you to see where you should start but are not playing an important role in coming up with the right solution.

    So let’s look at some ways in which parentheses may be used.

    (1 + 2) + 3 = 3 + 3 = 6
    3 + (9 x 2) = 3 + 18 = 21
    (3 * 6) + (5 – 2) = 18 + 3 = 21

    Well, you were introduced to parentheses. You must do the math issue within the parentheses first. And when you’ve got that stuff inside out of the way, move on to the operations that are in the question’s open areas.

    Even when they’re inside the parentheses, you first need to complete the operations of multiplication and division.

    If you’re confronted with multiple operations, the very last steps you need to are addition and subtraction.

    In the previous paragraph, I told you most of the “parentheses” story. So you begin with the parentheses, then move on to multiplication and division, to finish with addition and subtraction. So this was it about Parenthesis and parentheses.

    Resumo
    In mathematics, we use grouping symbols to affect the order in which an expression is evaluated.

    For example, when we use parentheses the expression inside must be evaluated first. The rule is simple: Whatever is inside the parentheses is evaluated first.


    Moving up to Nginx

    The Nginx web server can be installed on a Debian-based system with one command:

    As a web server, Nginx provides the expected services, such as wire-level security, HTTPS, user authentication, load balancing, media streaming, response compression, file uploading, etc. The Nginx engine is high-performance and stable, and this server can support dynamic content through a variety of programming languages. Using uwsgi as a very lightweight web server is an attractive option but switching to Nginx is a move up to industrial-strength web hosting with high-volume capability. Nginx and uwsgi are both implemented in C.

    With Nginx in play, uwsgi takes on a communication protocol's restricted roles and an application server it no longer acts as an HTTP web server. Here's the revised architecture:

    As noted earlier, Nginx includes uwsgi support and now acts as a reverse-proxy server that forwards designated HTTP requests to the uwsgi application server, which in turn interacts with the Python script requestHandler.py . Responses from the Python script move in the reverse direction so that Nginx sends the HTTP response back to the requesting client.

    Two changes bring this new architecture to life. The first launches uwsgi as an application server:

    Socket 8001 is the Nginx default for uwsgi communications. For robustness, you could use the full path to the Python script so that the command above does not have to be executed in the directory that houses the Python script. In a production environment, uwsgi would start and stop automatically for now, however, the emphasis remains on how the architectural pieces fit together.

    The second change involves Nginx configuration, which can be tricky on Debian-based systems. The main configuration file for Nginx is /etc/nginx/nginx.conf , but this file may have include directives for other files, in particular, files in one of three /etc/nginx subdirectories: nginx.d , sites-available , and sites-enabled . The include directives can be eliminated to simplify matters in this case, the configuration occurs only in nginx.conf . I recommend the simple approach.

    However the configuration is distributed, the key section for having Nginx talk to the uwsgi application server begins with http and has one or more server subsections, which in turn have location subsections. Here's an example from the Nginx documentation:

    The location subsections are the ones of interest. For the snowfall application, here's the added location entry with its two configuration lines:

    To keep things simple for now, make /snowfall the only location in the configuration. With this configuration in place, Nginx listens on port 80 and dispatches HTTP requests ending with the /snowfall path to the uwsgi application server:

    The port number 80 can be dropped from the request because 80 is the default server port for HTTP requests.

    If the configured location were simply / instead of /snowfall , then any HTTP request with / at the start of the path would be dispatched to the uwsgi application server. Accordingly, the /snowfall path leaves room for other locations and, therefore, for further actions in response to HTTP requests.

    Once you've changed the Nginx configuration with the added location subsection, you can start the web server:

    There are other commands similar to stop and restart Nginx. In a production environment, you could automate these actions so that Nginx starts on a system boot and stops on a system shutdown.

    With uwsgi and Nginx both running, you can use a browser to test whether the architectural components cooperate as expected. For example, if you enter the URL localhost/ in the browser's input window, then the Nginx welcome page should appear with (HTML) content similar to this:

    By contrast, the URL localhost/snowfall should display the rows currently in the snowfall table:


    MIKE 21/3 Integrated Models Products

    The following documentation are available for the MIKE 21/3 Integrated Models Products:

    MIKE 21/3 Coupled Model FM ^ top

      This documentation is complemented by the documentation on the individual modules, which can be found under MIKE 21 & MIKE 3 Flow Model FM and MIKE 21 Spectral Waves.

    MIKE 21/3 Oil Spill ^ top

    MIKE 21/3 Particle Tracking ^ top

    Oil Spill/Particle Track Toolbox ^ top


    The Stacks project

    Example 27.21.3 . The map $ ext^ n(mathcal) o pi _*(mathcal_(mathcal)>(n))$ is an isomorphism if $mathcal$ is locally free, but in general need not be an isomorphism. In fact we will give an example where this map is not injective for $n = 1$. Set $S = mathop>(A)$ with

    Denote $overline$ the class of $u$ in $A$ and similarly for the other variables. Let $M = (Ax oplus Ay)/A(overlinex + overliney)$ so that

    In this case the projective bundle associated to the quasi-coherent sheaf $mathcal = widetilde$ on $S = mathop>(A)$ is the scheme

    Note that this scheme as an affine open covering $P = D_<+>(x) cup D_<+>(y)$. Consider the element $m in M$ which is the image of the element $us_1x + vt_2y$. Note that

    The first equation implies that $m$ maps to zero as a section of $mathcal_ P(1)$ on $D_<+>(x)$ and the second that it maps to zero as a section of $mathcal_ P(1)$ on $D_<+>(y)$. This shows that $m$ maps to zero in $Gamma (P, mathcal_ P(1))$. On the other hand we claim that $m ot= 0$, so that $m$ gives an example of a nonzero global section of $mathcal$ mapping to zero in $Gamma (P, mathcal_ P(1))$. Assume $m = 0$ to get a contradiction. In this case there exists an element $f in k[u, v, s_1, s_2, t_1, t_2]$ such that

    Since $I$ is generated by homogeneous polynomials of degree $2$ we may decompose $f$ into its homogeneous components and take the degree 1 component. In other words we may assume that

    for some $a, b, alpha _1, alpha _2, eta _1, eta _2 in k$. The resulting conditions are that

    There are no terms $u^2, uv, v^2$ in the generators of $I$ and hence we see $a = b = 0$. Thus we get the relations

    We may use the first generator of $I$ to replace any occurrence of $us_1$ by $vt_1 + ut_2$, the second generator of $I$ to replace any occurrence of $vs_1$ by $-us_2 + vt_2$, the third generator to remove occurrences of $vs_2$ and the third to remove occurrences of $ut_1$. Then we get the relations

    This implies that $alpha _1$ should be both $ and $1$ which is a contradiction as desired.


    Assista o vídeo: СМОТРИМ OPEN а может и. CROSSFIT GAMES НА РУССКОМ. CF92 (Dezembro 2021).